Translate

sexta-feira, 29 de março de 2013

A 1ª IGREJA


A PRIMEIRA

A primeira igreja cristã, foi sem dúvida aquela que nasceu da primeira experiência vivida pelos apóstolos, depois da morte e ressurreição de Cristo. Obviamente você perguntará: e qual foi? Essa segunda pergunta é influenciada pela realidade de hoje, pela existência de tantas denominações que, muitas vezes, querem ser julgadas como aquela autêntica. Minha opinião pessoal, que já tive oportunidade de exprimir aqui no site, é que enquanto há divisão há pecado e, por isso, falta de autenticidade. A divisão deve condenar a todos nós e nos incentivar a caminhar em direção ao diálogo e à compreensão mútua, baseados no princípio que todos nós nascemos em Cristo e por isso somos irmãos. Se digo "a minha igreja é aquela autêntica" estou excluindo o diálogo e não me abro ao próximo.

Um estudo sério sobre essa questão necessariamente deve passar por aspectos históricos, que não é o nosso campo. Devemos ter consciência que já no início da vida cristã existiam dificuldades de unidade e lá pelos anos 300 nasceu a primeira divisão oficial, com Nestor, que não aceitava o fato que Jesus fosse ao mesmo tempo ser humano e Deus. Depois vieram as grandes divisões, primeiro com o cisma entre ocidente e oriente, sobretudo por causa da questão do filioque (o Espírito Santo que procede do Pai e do Filho) e, no século XVI, a divisão protagonizada por Lutero. Ao mesmo tempo é muito importante ter consciência histórica que Jesus não criou nenhuma instituição, seja a igreja católica, seja a igreja protestante. De fato o próprio Jesus frequentava o templo, era judeu e assim também os apóstolos (veja Lc 24,53; At 2,46; 3,1). Só alguns anos depois da morte de cristo é que os cristãos começaram a criar uma identidade própria e a reunir-se.

No novo testamento aparece em continuação a palavra Igreja, que em grego é Ekklesia. O termo grego pode ser traduzido como "Assembleia". Etimologicamente é formado pela preposição ek (de fora) e pelo verbo kaléo (chamar). A palavra grega não é, na origem, religiosa, mas era usada com sentido político, descrevendo a assembleia dos cidadãos que se reunia para tomar as decisões inerentes à pólis, à cidade grega. É por isso que essa palavra aparece bem antes de Cristo, em escritores clássicos como Platão.

Os cristãos, invés, quando usam esse vocábulo tem em memte o vocábulo hebraico kahal, pois é com ekklesia que os LXXX traduzem essa palavra hebraica. Para entender o que significa kahal basta lermos o Salmo 22,26: "De ti vem o meu louvor na grande assembleia; cumprirei os meus votos na presença dos que o temem".

Nos evangelhos a palavra Ekklesia aparece somente duas vezes, em Mateus. Há muitas outras citações onde ela aparece nos Atos dos Apóstolos e, depois, nos outros escritos. Indico aqui somente as duas passagens de Mateus:

Mateus 16,18: Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.

Mateus 18,17: E, se não as escutar, dize-o à igreja; e, se também não escutar a igreja, considera-o como um gentio e publicano.


INQUISIÇÂO


Houve uma perseguição sistematizada a todos os que não rezavam pela cartilha do catolicismo: não se submetessem à autoridade papal; tentassem ministrar ou interpretar as doutrinas bíblicas. A Inquisição operava através de emissários dos papas e instalou Tribunais Inquisitórios em várias partes do mundo. Aos "hereges" não era concedido o direito de defesa. Vários métodos de tortura foram inventados nessa época. Regra geral, os protestantes eram queimados vivos, alguns em fogo brando para aumentar o suplício. Foram vários os massacres. As vítimas mais notáveis, condenadas à fogueira, foram os santos John Wycliffe, John Huss, Jerônimo de Praga e Joana d'Arc. O destemido Martinho Lutero, o fundador da doutrina protestante, livrou-se da fogueira. 
Que é Ecumenismo?

É um "movimento surgido nas igrejas protestantes e, posteriormente, na Igreja Católica, originado da crença de terem uma identidade substancial na doutrina e na mensagem de Cristo" (Dicionário Aurélio). Em outras palavras, é um movimento que objetiva maior e melhor aproximação das igrejas cristã
s.

A ORIGINAL

 A capacidade de desenhar uma linha no tempo que volte ao passado até a “primeira igreja” através da “sucessão apostólica” é um argumento usado por várias igrejas diferentes para afirmar que sua igreja é “a única igreja verdadeira”. A Igreja Católica Romana faz tal alegação. A Igreja Ortodoxa Grega faz esta alegação. Algumas denominações protestantes fazem esta alegação. Alguns dos cultos “cristãos” fazem esta alegação. Como saberemos que igreja é a correta? A resposta bíblica é: isto não importa!

A primeira igreja, seu crescimento, doutrinas e práticas foram registradas para nós no Novo Testamento. Jesus, assim como Seus apóstolos, previram que falsos mestres se levantariam, e sim, é visível em algumas epístolas do Novo Testamento que estes apóstolos tiveram que lutar contra falsos mestres ainda no passado. Ter um pedigree de sucessão apostólica ou ser capaz de encontrar as raízes de uma igreja no passado, na “primeira igreja”, não é algo que esteja dito em lugar algum das Escrituras como um teste para ser a verdadeira igreja. Mas as Escrituras registram repetidas comparações entre o que um falso mestre ensina e o que a primeira igreja ensinava. Se uma igreja é a “igreja verdadeira” ou não, é determinado se compararmos seus ensinamentos e práticas com os da igreja do Novo Testamento, como registrado nas Escrituras.

Por exemplo, em Atos 20:17-38, o Apóstolo Paulo tem uma oportunidade de falar aos líderes da igreja na grande cidade de Éfeso uma última vez, face a face. Nesta passagem, ele os adverte que falsos mestres não somente surgirão entre eles, mas também DENTRE eles (versos 29-30). Paulo não expressa o ensino de que eles deveriam seguir a “primeira” igreja organizada como segurança para a verdade, mas ele os encomenda a segurança de “Deus e à palavra de Sua graça” (verso 32). Por esta razão, a verdade poderia ser determinada ao se depender de Deus e da “palavra de Sua graça” (ou seja, as Escrituras; veja João 10:35).

Esta confiança na Palavra de Deus, ao invés de seguir certos “fundadores” individuais, é vista mais uma vez em Gálatas 1:8-9, onde Paulo afirma: “Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema. Assim, como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.” Por isto, a base para se diferenciar a verdade da mentira não é baseada em QUEM está ensinando, “nós mesmos ou um anjo do céu”, mas se é o mesmo evangelho que eles já receberam: e este evangelho está registrado nas Escrituras.

Outro exemplo desta confiança na Palavra de Deus é encontrado em II Pedro. Nesta epístola, o Apóstolo Pedro está em luta contra falsos mestres. Fazendo isto, Pedro começa mencionando que nós temos “mui firme palavra” para confiar, mais do que até ouvir a voz de Deus dos céus como aconteceu na transfiguração de Jesus (II Pedro 1:16-21). Esta “mui firme palavra” é a escrita Palavra de Deus. Pedro diz a eles novamente para serem cuidadosos “das palavras que primeiramente foram ditas pelos santos profetas, e do nosso mandamento, como apóstolos do Senhor e Salvador” (II Pedro 3:2). Tanto as palavras dos santos profetas quanto os mandamentos que Jesus deu aos apóstolos estão registrados nas Escrituras.

Como determinamos se uma igreja está ensinando a correta doutrina ou não? O único padrão infalível que temos, segundo as Escrituras, é a Bíblia (Isaías 8:20; II Timóteo 3:15-17; Mateus 5:18; João 10:35; Isaías 40:8; I Pedro 2:25; Gálatas 1:6-9). A tradição faz parte de qualquer igreja, mas esta tradição deve ser comparada com a Palavra de Deus, sob pena de ir contra o que é verdadeiro (Marcos 7:1-13). Mesmo sendo verdade que os cultos e às vezes as igrejas ortodoxas torçam a interpretação das Escrituras para apoiar suas práticas, as Escrituras, quando tomadas em contexto e estudadas com fé, são capazes de guiar-nos à verdade.

A “primeira igreja” é a igreja que está registrada no Novo Testamento, especialmente no Livro de Atos e nas Epístolas de Paulo. A igreja do Novo Testamento é a “igreja original” e “a igreja verdadeira”. Podemos saber disto porque ela está descrita, em grandes detalhes, nas Escrituras. A igreja, como registrada no Novo Testamento, é o padrão de Deus e base para Sua igreja. Sobre esta base, vamos agora examinar a alegação dos católicos romanos de que constituem a “primeira igreja”. Em nenhum lugar do Novo Testamento encontraremos a “única igreja verdadeira” fazendo qualquer das seguintes coisas: orando a Maria, orando aos santos, venerando Maria, submetendo-se ao papa, tendo um sacerdócio selecionado, batizando um bebê, observando as ordenanças do batismo e a Ceia do Senhor como sacramentos ou passando a autoridade apostólica a sucessores dos apóstolos. Todos estes são elementos centrais da fé católica romana. Se a maioria dos elementos centrais da Igreja Católica Romana não são praticados pela Igreja do Novo Testamento (a primeira e única igreja verdadeira), como então pode a Igreja Católica Romana ser a primeira igreja? Um estudo do Novo Testamento claramente revelará que a Igreja Católica Romana não é a mesma igreja descrita no Novo Testamento.

O Novo Testamento registra a história da igreja desde aproximadamente 30 d.C. a aproximadamente 90 d.C. No segundo, terceiro e quarto séculos, a história registra várias doutrinas e práticas católicas romanas entre os cristãos primitivos. Não é lógico que fosse mais provável que os cristãos primitivos entendessem o que os apóstolos queriam realmente dizer? Sim, é lógico, mas há um problema. Os cristãos do segundo, terceiro e quarto séculos não eram realmente os primeiros. Repetimos, o Novo Testamento registra a doutrina e prática dos primeiros cristãos... e o Novo Testamento não ensina o Catolicismo Romano. Qual é a explicação para que a igreja do segundo, terceiro e quarto séculos tivesse começado a mostrar sinais do Catolicismo Romano?

A resposta é simples: a igreja do segundo, terceiro e quarto século (e em diante) não possuía o Novo Testamento completo. As igrejas tinham partes do Novo Testamento, mas o Novo Testamento (e a Bíblia completa) não estava comumente disponível até depois da invenção da imprensa em 1440 d.C. A igreja primitiva fez o melhor que pode em passar adiante os ensinamentos dos apóstolos através da tradição oral, e através de uma disponibilidade extremamente limitada da Palavra na forma escrita. Ao mesmo tempo, é fácil ver como as falsas doutrinas puderam se infiltrar em uma igreja que tinha acesso apenas ao Livro de Gálatas, por exemplo. É muito interessante observar que “A Reforma Protestante” se seguiu logo depois à invenção da imprensa e tradução da Bíblia nas linguagens comuns às pessoas. Uma vez que as pessoas começaram a estudar a Bíblia por si mesmas, tornou-se muito claro quão longe a Igreja Católica Romana tinha se afastado da igreja descrita no Novo Testamento.

As Escrituras nunca mencionam “que igreja veio primeiro” como a base para determinar qual a “verdadeira” igreja. O que elas ensinam é que se deve usar as Escrituras como o fator determinante para sabermos qual igreja está pregando a verdade e desta forma é fiel à primeira igreja. É especialmente importante comparar as Escrituras com os ensinamentos de uma igreja em termos dos assuntos centrais, como a total divindade e humanidade de Cristo, a expiação pelo pecado através de Seu sangue no Calvário, a salvação do pecado pela graça por meio da fé e a infalibilidade das Escrituras. A “primeira igreja” e “a igreja verdadeira” estão registradas no Novo Testamento. Esta é a igreja que todas as outras igrejas devem seguir, tentar igualar ou superar e ter como modelo.




fontes:
www.gotquestions.org/.../igreja-original-primeira.html
www.abiblia.org › Perguntas e respostas
www.mdig.com.br/index.php?itemid=2971
pt.wikipedia.org/.../Primeira_Igreja_Batista_na_Améric.
www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content...
http://www.estudogospel.com.br/blog/a-biblia-responde/antropologia.html


SE VOCÊ É PESSOA JURÍDICA E DESEJA SE TORNAR UM PATROCINADOR DESSE BLOG, ANUNCIANDO SEU PRODUTO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇO, ENTRE EM CONTATO COM O ADMINISTRADOR NO EMAIL reinaremvida@gmail.com , OU SE VOCÊ PREFERE AJUDAR NO ANONIMATO ATRAVÉS DE DEPÓSITO OU  TRANSFERÊNCIA BANCÁRIA COM QUALQUER VALOR : 
 ( Caixa Econômica Federal, agencia 0185 conta 013 00458401-4 ) Sergio B. Barros
 EM QUALQUER CASA LOTÉRICA DEPOSITE  MESMO QUE SEJA APENAS 1 REAL OU 1 DÓLAR NA CONTA ACIMA MENCIONADA E ESTARÁ CONTRIBUINDO NESSA OBRA


..................................................................................... ....................................................................................
Postar um comentário

Confira Também:

UNIÃO DAS IGREJAS

A UNIDADE CRISTÃ "...HAVERÁ UM REBANHO E UM PASTOR" (JOÃO 10:16) Fala-se muito atualmente em união de igrejas, aproximação d...